Translate

My MTB has DIABETES

Diabetes is something that cycling with me since 21 years ago, I’m 41. The blue O Project regarding the disclosure of diabetes disease associated with the practice of MTB, talking, discussing and to clarifying some aspects, from who has to deal with these two situations simultaneously.

Diabetes blogs mundial / around the world...

Boas pedaladas,

bleu O já consta na lista mundial de blogs associados a diabetes.

É um site dedicado a pessoas com diabetes e não só.
Segue estes passos e transforma a doença, desmistificando-a, aprendendo com ela.
Se tens um blog sobre a diabetes?
Queres fazer parte da lista no endereço www.diabetes-blogs.net?
Manda um mail com estes dados para

- nome do teu blog
- endereço URL
- linguagem utilizada na escrita
- país de origem

--//--

English

Diabetes Bloggers Wanted!

This site is dedicated to persons with diabetes, to epatients and their blogs. I would like it to feature all blogs about diabetes. Therefore I ask for your help:
You are a diabetes blogger?
You want to be listed at www.diabetes-blogs.net?
Then please send an email with
  • the name of your blog
  • the URL
  • the language, you are blogging in
  • the country you are based in
  • optional: your twitter ID

GPS 2013

Boas pedaladas,
 
A meteorologia indicava alguma chuva mas o sol vingou-se. A glicémia em jejum rondava o espetacular, 146mg/dL, reduzi a basal e a rápida nas proporções previstas para o esforço que ia despender (relembro que não há regras, a intimidade com a nossa diabetes é uma questão de anos e treino, veja-se o exemplo do blue O, Pedro Felício, nos 120km neste fim de semana Porto Corvo-Alvalade-Porto Corvo no seu Facebook).
 
 
Estávamos praticamente todos à hora do briefing onde o Infante ia avisando das possíveis ocorrências, saindo os grupos na ordem esquematizada. Coube-me o António Cabaço, o Valério, e o Filipe Salvado.
 
 
Como é do conhecimento de muitos, neste passeio guiado por GPS, o ajuntamento de grupos é consequente e a entreajuda é sobejamente provocada, coisa boa no BTT. O Pinto, como sempre, surpreende-nos pelos trilhos, mas este ano foi abusado nas subidas, Castelo Novo, serra da Gardunha...
 

 
Depois da Ponte Velha, a caminho de Alpedrinha, depois de uma foto, fiz o já normal, workshop de remendar a camara de ar, depois de avisar veio o Cabaço em meu auxilio. Ficou indignado, pior ficou em confirmar que ainda tenho remendos "do tempo do Guterres" - transcrevo - ainda me desculpei com os furos das ultimas provas mas não tive desculpas...
- "Tubless e CO2, tens que te actualizar"!!!
- "Mas eu tenho na minha 26! E também tinha na LUX!!"...
- "Oh Carlos, ainda para mais com estas rodas (29)... tens que te actualizar".
 
 
Voltamos ao encontro dos restantes, e continuamos a subir! Uns sigle traks fantásticos e com algumas passagens obrigatoriamente a mão. Passamos por cima da A23, à entrada dos tuneis, em direcção a Alpedrinha, no único abastecimento, estávamos 2 grupos.
 

 
Até aqui a concentração do VITARGO ELECTROLYTE e umas dentadas numas barras marcavam-me 155mg/dL de glicémia. Comi banana e trouxe outra, sandes mistas foram duas, sumo a acompanhar e houve uns valentes que fizeram prova de tintos. Uma garrafa tinha borras e outro serviu para "queimar" uma roseira. Não saímos de lá sem ser aberta e provada, uma terceira garrafa. Dizem que aquele, sim, estava bom!!!
 
A subida continuou por mais uns quilómetros a compensar com as paisagens. Já estávamos perto da antenas da Cortiçada quando começamos a descida rumo a estação de Vale de Prazeres e demais povoações.
 

 
O cansaço já se fazia notar em alguns companheiros mas a camaradagem neste pessoal é coisa séria, ninguém fica para trás, nem que vá com GEL, dizia o Mike para o Cli! Algumas cerejas foram colhidas, muitos repetimos em várias árvores, se o Pinto soubesse, não nos deixava comer o almoço!
 
 
Passamos por uma barragem de nome Cabrão, concluindo na Lardosa. Os banhos “queimavam” da impressão do nosso corpo quente com a diferença da temperatura da água. O almoço estava divinal. O convívio absolutamente fantástico.
 
 
A minha glicémia esteve bastante controlada - não parei por hipo - penso que contribuiu a concentração do Vitargo, associado a um andamento “leve”...
 
Pedaladas bOas,
Casf
 
 
Nota: Agradeço fotos do António Cabaço e Fernando Micaelo

English


Good cycling,
 
Meteorology indicated some rain but the sun took his revenge. My fasting blood glucose was very well, 146mg/dL, I reduced basal and fast insulin, in the proportions, by the effort I would expend (I remember there are no rules, understanding our diabetes is a matter of years and training, see the example of blue O Rider, Pedro Felício on 120km Porto Covo-Alvalade-Porto Covo MTB Event, this weekend in Facebook).
 
 
With almost all of us on briefing time, Pinto Infante warning to possible occurrences, leaving the groups in the scheduled order. I went with António Cabaço, Valério, and Filipe Salvado.
 
As is widely known, this GPS guided tour, gathering of groups is consistent and mutual provoked as well, it's a good thing in mountain biking. Pinto, as always, surprises us on this traks, this year he uphill abused, Castelo Novo, Gardunha Mountain...
 

After Old Bridge, on the way to Alpedrinha, after a photo, I had the normal workshop - patching the inner tube, after warning, António Cabaço I came in my help. He was outraged, even worse when confirms that I still have "Guterres time" patches - I quote - I even apologized with the holes from latest events, but had no excuses...
- "Tubeless and CO2, you have to update"!!!
- "But I've on my 26! And also I had on the LUX!"...
- "Oh Carlos, even more with these wheels (29)... you must upgrade yourself."
 

 
We catch the others guys and continue rising! Some fantastic single tracks some needed passages by hand. We passed over the A23 highway on the tunnels entrance, to Alpedrinha for the single supply, we were 2 groups.
 

 
Till here the VITARGO ELECTROLYTE concentration and some cereal bars toothed bytes marked 155mg/dL of blood glucose. I ate banana, brought another one, two ham/cheese sandwiches, joined with orange juice and there were a mighty riders they did a “reds” tastes. One bottle had lees, other served to "burn" a rosebush. We didn't left before opened and verify a third bottle. They say, that one, it was really good!!
 

 
We continued climbing for a few more kilometres, returning the landscapes offsets. We were closed to Cortiçada antennas when we started the descent to Vale de Prazeres train station and several villages.
 
Tiredness was already sited in some riders, but friendship/solidarity on this staff is really serious, no one is left behind, "you want some HC GEL?!", said Mike for Cli! Some cherries were harvested, many repeated on several trees, if Pinto knew, would not let us eat the lunch! We went through a dam named Cabrão (I will not translate), finishing in Lardosa.
 

 
Baths "burning" in the hot body with water temperature difference. The lunch was divine. The convivial absolutely fantastic.
 
My blood glucose was quite controlled - not stopped by hypo - I think that contributed was from Vitargo concentration, associated with an "light" ongoing.
 
Cycling good,
casf


Entrevista Top Atleta.pt

Boas pedaladas,
 
Foi com agrado que respondi sobre a blue O e oprojeto que desencadeia da mesma ideia, o Projecto blue O.
 
A história, vista de uma perspectiva mais abrangente e ao mesmo tempo pessoal.
 
ObrigadO,
casf
 
 
 
Fotos: Nuno Maia








II Trilhos do Lince - Penamacor

 
Boas pedaladas,
 
Esta prova começou muito antes da data propriamente dita, em 2012, acompanhado fizemos 99km!!!, passava por Espanha, subia à Serra da Malcata e voltávamos a descer para Penamacor, com a possibilidade de ver um Lince Ibérico!!! Este ano, dada a fraca aderência aos 85km, recebemos um mail informativo, que esta distância não se realizava - desalento e alivio.
 
Glicemia fantástica de manhã, 126mg/dL, reduzo as unidades de rápida e basal, esta ultima é a chave para um dia tranquilo e as demais horas. Estava o tão anunciado frio e as rajadas, prolongavam essa impressão. Levantei o saco com tudo o que me pertencia (adorei o conteúdo, em casa mais ainda!).
 
 
No aquecimento cheguei à fala com um amigo recente que se prolongou durante o briefing, até nos "obrigarem" a seguir, já tinham dado a partida! Fomos juntos algum tempo, infelizmente para mim, até das questões técnicas se falou. Posso afirmar que, depois deste pormenor, que ultimamente tenho com os furos, notei algo mole lá atrás... Íamos pelo km 8, perguntei-lhe isso porque também não tinha GPS, algo com o botão “ON”!!! Confirmei, mais uma prova mais um furo! Segui ao ritmo possível: parar, confirma, enche e torna a encher!
 
 
Não fiquei por aí. Reconhecendo o local, estávamos a chegar ao 1º abastecimento, no Parque de Campismo do Freixial, Águas - Penamacor (era o acampamento final das minhas atividades escotistas), meto as mãos aos bolsos, não, não tinha o leitor de glicémia!!! Passei a ter de gerir tudo com mais atenção. Deu-me a impressão de estar com um valor alto... O VITARGO ELECTROLYTE estava "consistente" e preenchi com H2O, comi uma banana, laranja, uma sandes de fiambre e agarrei 2 barras de cereais. O pneu… depois de mais umas "bombadas" parecia aguentar-se.
 
 
Os espanhóis da Serra da Gata, marcam forte presença nesta prova e saí "acompanhado". Durante uns bons quilómetros fui parando para encher a “minha sina”, ladeamos ribeiras, fui comendo as barras de cereais e umas bolachas, passamos pelo 2º abastecimento (só líquidos, numa estrada “colada” com Espanha onde havia assistência técnica, mas comigo estava tudo bem!!!), passamos por pontes, fizemos algumas subidas e os espanhóis desapareceram… tive de encher o pneu!
 
Tenho uma ligeira resistência à lama (deve ser do equipamento quase branco), mas neste passeio serviu-me de lição. Por me desviar - "contente e feliz” - fui parar a uma subida, subi e continuei a subir, pensando sempre que estava no caminho certo, até um cruzamento bastante largo. Se já não via indicações nenhumas há algum tempo, ali não havia mesmo nada (de tão bem marcado que estava: fitas, setas e cortes de caminho)! Desci quase tudo até encontrar dois raiders, mas não os demovi do que estava já convencido, e assim, "mostrei-lhes" o caminho até lá acima. Conclusão, ligamos à Organização, era para descer. É que foi ver a CF SLX 29 à procura das "fitas"!!!
 
 
Lá estava a lama, e tinha de lá passar, depressa chegam o carro, moto 4 e a bike vassoura. Passamos a 4 elementos e fomos direção ao 3º abastecimento. Consegui distanciar-me e numa descida antes do 3º abastecimento, cruzei-me com um bâmbi - os do rabo branco - saltou à minha frente no trilho, de um lado para o outro - quase ao estilo Cape Epic!!!
 
Desse abastecimento, comi na base da gestão; meio copo de sumo com uma sandes de queijo, fruta, uma barra e água. Saí com um avanço de 5 min, se tanto, e depressa fui apanhado, faltavam 20km para a meta. Descobri o que originou os últimos furos e com a ajuda da Organização reparamos, de vez, essa questão. Durante esses quilómetros fui recuperando algumas posições, numas transações de subidas consecutivas, ajudado pelo meu peso e esta roda 29.
 
 
Cheguei bem, sem sintomas de hipo, durante todo o percurso. Devo ter realizado uns 60km... A insulina basal - efeito 24h - é fundamental neste tipo de atividade - aeróbico - havendo um controlo nos valores durante a atividade, é fundamental o conhecimento das reações corporais depois dessa atividade para não se registarem episódios de hipo e por consequência, colocando menos insulina, evitar as hiperglicemias.

Ao almoço tinha 116mg/dL.
Dos 46 cheguei em 38 com 4:38:20h
 
Pedaladas boas,
casf

--//--

English

Good cycling,

This event started before the date itself, in 2012, we did 99km!! Passed through Spain, went up to Malcata Mountain and cycling back to Penamacor, with the possibility to seeing a lynx!! This year, due to poor adherence to 85km, we received an informative email, this distance it was not in - relief and despair.


My fasting blood glucose was 126mg/dL, I reduce the fast and basal insulin units, the basal is the key to a “peaceful” day and the remaining hours. It was the announced cold temperature with blasts, lengthen that impression. I lifted the bag with everything that belonged to me (loved the content, at home, even more!).


When heating I talking with a recently friend, during all briefing time, till they "oblige" us to follow, had already given the started! We've been together for a while, unfortunately for me, we also speak about technical issues. I can say, after this detail, that lately I have with holes, I noticed something soft on the back... 8km were going, I asked him, also because I didn't have GPS, something with the "ON" button!! Confirmed, another event, one more hole! I follow on the possible pace: stop, confirm, fills and refills!


It was not finish! Recognizing the place, we were coming to 1st supply zone, Freixial Camping Park, Águas - Penamacor (was the final Scout camping activities every year), I put my hands into my pockets, no, no blood glucose meter!!! I started having to manage everything much more carefully. I had the impression of being in a high value... The VITARGO ELECTROLYTE was "consistent" and I filled with H2O, ate a banana, orange, a ham sandwich and grabbed two cereals bars. The tire... after a few more "pumped" seemed to hold up.

The Spanish’s from Gata Sierra mark strong presence in this event and we leave "together". For a good kilometer was stopping to fill "my fate", pass nearly streams, I ate cereals bars and some cookies, we passed the 2nd supply (only liquids, on a road "merged" to Spain, where there were technical assistance, but for me was everything okay!), passed through bridges, made some ascents and the Spanish’s disappeared ... I had to fill the tire!


I have a slight resistance to mud (should be from the almost white equipment), but on this event should be a lesson to me. Why I turn away - "happy" - I ended up in a climb, I climb and continued to rise, always thinking I was on the right path till a rather wide intersection. If I haven't seen any indications for some time, there, wasn't nothing (and was well marked: ribbons, arrows and cut way)! I went down almost everything, till find two raiders, but I didn’t demote from what I was already convinced, and so, I "showed them" the way up. Conclusion, we call the Organization, it was to descend. I put my 29 CF SLX looking of "tapes"!!!
 
There was the mud, and I had to spend though, quickly reach the car, motorbike and the bike broom. We went to 4 elements and headed toward the 3rd supply zone. I could went away and before I descent to the 3rd supply, I cross with a Bambi - white tail - it jumped in front of me on the trail, from one side to another - almost Cape Epic style!
 
 
From that supply, I ate on a management basis; half a glass of juice with a cheese sandwich, fruit, a bar and water. I left with a lead of 5 minutes, and quickly got caught, lacked 20km to the finish line. I discovered which led the last holes and with the Organization help we repaired this issue. During these miles was recovering some positions, on some consecutive rises transactions, helped by my weight and this 29 wheel.
 
 
 
I finished well, without hypo symptoms, all the way. Probably I did around 60km... The basal insulin - 24h effect - is critical in this type of activity - aerobic - having your values controlled during the activity, is fundamental the knowledge of your body reactions after activity, avoid hypo episodes, and therefore, putting less insulin, avoid hyperglycemia.
 
At lunch time I had 116mg/dL.
From 46 riders I finish 38 with 4:38:20h
 
Cycling good,
casf