Translate

My MTB has DIABETES

Diabetes is something that cycling with me since 21 years ago, I’m 41. The blue O Project regarding the disclosure of diabetes disease associated with the practice of MTB, talking, discussing and to clarifying some aspects, from who has to deal with these two situations simultaneously.

VI Maratona BTT Gardunha "Rota da Cereja"

Boas pedaladas,
 
Este ano a Maratona da Gardunha tem diversos percursos, incluindo para os mais pequenos, as quais apelidou com nomes.
 
No meu caso vou tentar fazer o maior, 75km, Maratona "Aldeias Históricas".
 
Tem a Maratona "Rota da Cereja", 45km e a "1ª Rota da Cereja", dedicada a escalões mais jovens:  benjamins, iniciados, infantis e juvenis.

-/-

Boas pedaladas,
Este ano sem me ter apercebido muito bem, fui à BTT Gardunha fazer a maior. Entre os 45km e os 75km, arrisquei “foi cá um tiro”!
As normais descidas de insulina, com a glicémia de 98mg/dL em jejum foi um bom começo. O dorsal obrigava-me a estabelecer uma grande proximidade, sem inibições, dada a nosso relacionamento! O calor neste tipo de intimidade é intenso, nesta altura do ano, na nossa região aumenta, mesmo que não se revele uma “química entre o casal”, o meu GPS chegou a marcar 42°C.
O gráfico de altimetria não era do meu agrado, nos últimos 35km eram aplicados quase 2/3 do acumulado total - 1945m!
 
Até ao 1º abastecimento fui recuperando posições, principalmente de cada vez que existiam subidas. Na única altura em que parei para ilustrar os meus textos, apanhei o vice-versa do meu dorsal, quase assisti a uma queda, felizmente que não se aleijou de maior.
 
Chegamos ao Souto da Casa, 1º abastecimento, repleto como sempre, 92mg/dL, mesmo tendo dobrado a quantidade de VITARGO no 1º bidão! Refiz o ELECTROLYTE, comi uma banana e um queque acompanhado de coca-cola, levei outra banana e mais um queque.
 
Estava deveras muito calor, situação que não me desconforta, mas obrigava a um permanente contacto com o bidom. Do Souto da Casa, passados sensivelmente 10km (íamos com 35km), notei um quebrar das pernas (sintoma de hipo), a banana e o queque foram imediatamente, antes, ainda pedalei perdido com um grupo, uns 1000m, fomos conhecer outras cerejeiras!
 
Passei num ponto de água ao km 40, refiz mais ELECTROLYTE, por acaso, soube que era a separação dos percursos, iniciavam-se aí as verdadeiras ascensões, eram os 1400m de acumulado dos restantes 35km.
As primeiras subidas fiz com um companheiro que a um determinado momento, delineando-lhe o percurso, lhe afirmo:
- “Uíí, ainda vamos a Castelo Novo, temos muito tempo…!”
Fez-se luz na sua mente, estava no percurso maior. Continuei mas a fraqueza que levava (agora sei, não mais a recompus), tomei um gel energético e nova seção de fotos…
 
Numa colina perdida na gardunha, direcção Alcongosta, um senhor em cima do seu trator pergunta-me se o abastecimento era ali!. Reconheci o tom da pergunta. Afirmo que não o tinha no meu conhecimento. A conversa decorreu num tom indireto, ambos cientes da resposta do outro! O senhor não quis ver as fotos - ainda bem porque ficaram mal - mas também não lhe disse que já tinha comido cerejas de outro…
Já em Alcongosta, com a sua célebre fonte, virei outra garrafa de água. Sobre pormenores do percurso responderam-me; “agora sobes a calçada romana, desces para Alpedrinha, Castelo Novo, aí é o abastecimento, acho, vais as antenas, mas depois é sempre a descer até ao Fundão”. “NÃO POSSO”, pensei!!!
O psicológico ficou em baixo, a forma física estava pior. Complicado para lá chegar, havia um trilho fantástico entre ciprestes - característica nesta prova - mas ficava antes da dita calçada romana. O início foi feito há mão, aproveitando para recuperar, desci para Alpedrinha, estava a desmoralizar bastante. Os pés e as mãos iam em “brasa”. O mesmo elemento da Organização, que me deu duas bananas, informa que o 2º abastecimento era mesmo só em Castelo Novo. Foi reconfortante, ouvir os apoios de quem não faz a menor ideia do nosso propósito ali. Tonifica a alma!
 
A dificuldade dos tracks já na vila de Castelo Novo - se a descer seriam difíceis - como foram em ascensão, pioraram tudo! Encontrei desnecessário, foram um suplício absoluto! Posso garantir que foi dos abastecimentos mais bonitos em que parei, por ventura o mais custoso de alcançar! A praça fantástica toda em granito (vila que conheço particularmente bem), aproveitei para tirar uma foto com o grupo do meu amigo José Carlos, blue O rider de Coruche. Comi fruta, pão com doce de cereja - que estava uma beleza - muita água, refiz o ultimo bidom de VITARGO, tirei um chocolate, ainda tinha uma banana.
 
Bem alimentado e hidratado, tinha uma ligeira dor de cabeça (hipo que tinha começado, talvez, 2 horas antes), chegaram mais 3 atletas, já eu saía com as antenas na cabeça. As pernas não respondiam, mesmo pedalando devagar, todos passaram por mim. A recuperação desta hipo, com constantes subidas, como foi o caso, nunca ocorreu. Parei, descansei, tirei fotos, apanhou-me outro rider, eu apanhei-o a ele, e garantindo-me que estava bem desci para o Fundão…
Esta ultrapassei-a com dificuldade, mas a mente, muitas vezes, revigoriza-se com o facto de ser O exemplo para os que me seguem. Tem resultado…
Pedaladas bOas,
casf

English

Good cycling,
This year, I didn't know haw, I went to BTT Gardunha doing the largest. Between 45km and 75km, I take the risk "it was a good shot"!

The normal insulin decreases, my fasting blood glucose was 98mg/dL, a good start. My dorsal required me to establish proximity without inhibitions, given our relationship! Heat, in this kind of intimacy is intense, at this time of the year, in our region increases, even if there isn’t ”chemistry between the couple," my GPS got 42°C.
 
I didn't like the altimetry chart, last 35km were applied almost two thirds of the total accumulate - 1945m!

Until 1st supply I was recover positions, especially every time there rises. The only stopped to illustrate my texts, I picked up the vice-versa of my dorsal, and almost witnessed a fall, which fortunately he doesn't crippled so mush.
 
We arrived at Souto da Casa village, 1st supply, full as always, 92mg/dL, even doubling the VITARGO on 1st water bottle! Redid the ELECTROLYTE, ate a banana and a muffin, I joined with coke, I took off a banana and another muffin.


It was very hot indeed, that didn't uncomfortable me but required a permanent contact with the water bottle. From Souto da Casa, it passed roughly 10km (already 35km), I noticed a “break” in my legs (a symptom of hypoglycemia). Banana and muffin were immediately in, before that, I cycled lost with a group, about 1000m, we went to meet other cherry trees!
 
I stop on a water point at 40km, I redid more ELECTROLYTE, by lucky, I knew it was the races separation, from there we start true ascents, the rest of 1400m accumulation, from remaining 35km.
I made these first ascents with a mate at a given time, outlining these track, I said:
- "We also go to Castelo Novo, we have plenty of time ...!"
Light on his mind, he was on the largest marathon. I continued but I felt weakness (now I know, no longer I recover from it), I took a energy gel and new pictures section...
 
On a hill lost in Gardunha Mountain, on my way to Alcongosta, a farmer, upon his tractor, asks me if the supply zone was there! I recognized the question tone. I replay him I didn't had on my knowledge that stop. The dialogue took place in an indirect attitude, both aware of each other response! He didn't want to see the photos - thank goodness because they were bad - but as well, I didn't told him I had eaten cherries from another farmer...
 
Already in Alcongosta, with its famous fountain, I toke another water bottle. About details from the route they answered me; "now you go up the Roman road, go down to Alpedrinha, Castelo Novo, there is the supply, I think, go to antennas (highest place on Gardunha Mountain), but then it's always down to Fundão". "I CAN NOT BELIEVE", I thought!!!
The psychological remained low, the physical was worse. Complicated to get there, there was a great track between cypresses - feature from this race - but it was before the Roman road. The beginning of it was made by hand, taking the opportunity to recover, I went down to Alpedrinha. I was very demoralized. My feet and hands were on "fire". The same Organization element, who gave me two bananas, reports that 2nd supply was only in Castelo Novo. It was comforting to hear the support from those who did not make the slightest idea of our purpose there. It tones our soul!
 
The tracks difficulty already in Castelo Novo village - if going down it would be difficult - as they were rising, everything got worse! Found unnecessary, were absolutely torment! I assure that was the most beautiful supply zone I stopped, perhaps the most harder to achieve! A fantastic granite all square (village that I know particularly well), I take a photo with a group of my friend, José Carlos, a blue O rider from Coruche. Ate fruit, bread with cherry jam - it was fantastic - lots of water, redid the last VITARGO bottle, I took a chocolate and a banana out.


Well fed and watered, I had a slight headache (from the hypo had started, maybe, 2 hours before), it came 3 more athletes, I went out with the antennas on my head. The legs did not react, even cycling slowly, everyone passed me. Hypo recovery, within constant increases, as was the case, it never occurred. I stopped, rested, took pictures, another rider catch me, I catch him, and assuring me it was ok I come down to Fundão.

This one I overpass it with difficulty, but the mind, often, invigorates with the fact that I be the example for those who follow me. It has resulted...

Rides good,
casf

I Maratona Nós e a Natureza




Boas pedaladas,
Mesmo com um aniversário na noite anterior, pela manhã não apresentava sintomas de "ressaca", a glicémia em jejum era de 91mg/dL. Perfeito, a normal redução de basal e menos de rápida, fui para Vila Velha de Rodão, a fazer lembrar uma outra prova na mesma Vila.

Talvez uns 100 atletas marcaram presença num belo dia para a prática de BTT. O início foi rápido e particularmente marcado por um piso repleto de pedra, fosse para rasgar os pneus, verificar as reacções das suspensões, a qualidade dos punhos, ao ponto de, nome caso, me deixar os punhos e braços num estado de desconforto com algumas dores... Já não tinha uma prova assim há algum tempo, muito rolante, tive de abrandar pelo km 15, caso contrário seria um final penoso e por consequência, uma hipo antes do 1º abastecimento.
A maioria das descidas, todas repletas de pedras, algumas com regueiras de chuvas já passadas, fizeram moça e mercerizavam as mãos - palmas e dedos - num ponto de água, chegou o carro de apoio com um atleta cujo ombro seguio o caminho do hospital, aparentemente, tudo bem só a dor deste ofício, a curar nos próximos dias...

Subimos a Sarrasqueira onde estava o 1º abastecimento, 152mg/dL do abrandamento, uma bolacha calórica pelo meio acompanhada da concentração do VITARGO. Acomodo um borrachão, uma laranja, sumo de maracujá com muita água e trouxe uma banana.
A separação dos percursos foi depois do 25km, quem fazia os 60km tinha de subir para Atalaia. Uma "senhora subida", por ser leve tenho alguma facilidade, mas sozinho o ritmo foi parcialmente "imposto pelo relógio do GPS"... Passei por algumas barragens e um fotógrafo, reparei que me tirou um retrato em perícia técnica, mais parecia estar perdido no meio do nada…

Este troço foi percorrido por menos atletas, daí que tenha notado a falta de algumas fitas sinalizadoras, por vezes, olhando o chão, surgiam dúvidas se era o track certo, mas nos locais de cruzamentos, com estradas nacionais, impecável.
Decorreram sensivelmente 20km em que só comi a banana, sempre a hidratar com Vitargo. Tinha uma sensação de enfardamento. No Cerejal encontrei o 2º abastecimento, até para lubrificar a corrente havia óleo. Refiz mais VITARGO ELECTROLYTE, um copo de sumo com uma sandes de queijo e muita água.

Um outro atleta, que saiu um pouco antes de mim, apanhei-o numa subida, uma das várias que sucederam este abastecimento; havia de alcatrão por terra, por estrada nacional, e acabamos da pior forma, em pedra bastantes irregulares e completamente solta... Parei pelo meio; alonguei as pernas, aproveitei para beber - com as pedras convém as duas mãos no volante - e tirei umas fotos, em modo de disparo sequencial, tudo pode acontecer! Acho que apanhei as Portas de Rodão, cartão-de-visita da região Beirã.

Ia com interesse na leitura do relógio queria bater um record pessoal e esta prova estava de feição, rolante quanto baste. Cheguei a meta pelas 13:01:00h.
Medi a glicemia já depois do banho e do VITARGO PROTEIN. 141mg/dL.
Pedaladas boas,
casf

Resumo:
- Km total 56
- Tempo total 4:01:44h, em movimento 3:24:56h,
- Calorias 1721
- Ganho de elevação 1135m
- Posição 17 em 25 "finishers"

English

Good cycling,
 
Even with a birthday party, the night before, the morning I had no symptoms of "hangover", the fasting blood glucose was 91mg/dL. Perfect, the normal reduction of basal and less fast insulin, I went to Vila Velha de Rodão, remembering another event in the same village.
 
 
Around 100 athletes attended to a beautiful day for mountain biking. A fast start, particularly marked by tracks with plenty of stones, were to rip tires, suspensions relativities, the quality of the handles, for me, give me a discomfort with some pain on my fists and arms... A long time I hadn't a race like this, so fast on the beginning, I had to slow down at 15 km, otherwise, it would be a painful ending and therefore a hypo before the 1st supply.
 
Some descents, full of stones, with some rain gaps from passed rainfalls, they hurt and do pain by the hands - palms and fingers - on a water point, the organization car came over to support an athlete, whose shoulder followed the way to the hospital, apparently, it was ok, just the pain from the fall, to heal in the coming days...
 
 
We climbed to Sarrasqueira where was the 1st supply, 152mg/dL from cycling relaxation, a caloric wafer together with VITARGO concentration. I cosiness one Borrachão (typical dry cake), an orange, passion fruit juice with plenty of water and I brought a banana.
 
 
Tracks separation was after 25km, who made the 60km need to climb to Atalaia village. A "pretty uphill", being light I have some easiness, alone, the pace was partially "imposed by the GPS clock"... I went through some dams and a photographer, I noticed that he took me a picture on a technical spot, seemed to be lost in the middle of nowhere...
 
This section has been covered for fewer athletes, then I noticed the lack of some signaling tapes, sometimes staring at the floor, doubts arose whether it was the right track, but locations with crossings roads, it was perfect.
During approximately 20km I only ate the banana, always hydrating with Vitargo. I had a sense of baling. On Cerejal I found in the 2nd supply, even to lubricate the chain we had oil. I redid my VITARGO ELECTROLYTE, a glass of juice with a cheese sandwich and lots of water.
 
Another athlete who leave a little before me, I caught him on a hill, one of several that followed this supply; had tar by land, national highway, and we ended up in the worst way, quite irregular loose stones... I stopped in the middle, enlarged my legs, I drink too - with these stones, should be both hands on the wheel - and I took some pictures, in sequential shooting mode, anything can happen! I think I got "Portas de Rodão" - Rodão Doors, one of business cards from Beira Baixa Portugal region.
I had interest in my clock reading, wanted to beat a personal record and this was the right event to do it, rolling. I reached the finish line at 1:01:00pm.
I measure my blood glucose, after bath and VITARGO PROTEIN taken. 141mg/dL.
 
Cylcing good,
casf
Summary:
- Total 56Km
- Total time 4:01:44 h, 3:24:56h in movement,
- 1721 Calories
- Gain elevation 1135m


Pedro Felicio, verdadeirO exemplO

Boas pedaladas,
 
Pedro Felício o nosso blue O Rider partilhou uma história fantástica, durou 120km!
 
 
"Hoje completei o mítico "Raid Alvalade-Porto Covo-Alvalade - 120klm" , evento no qual me tenho vindo a preparar, tanto a nível de dosagem e administração de insulina como a nível de prepação física e técnica, dando razão á afirmação "sem objectivos não há ambição!".

Na noite anterior ao evento administrei mais 5 unidades a mais do que o normal de insulina basal visto que no dia seguinte e de manhã tinha que a reduzir significativamente sem que tivesse algum desequilíbrio... Assim foi, na manhã do evento em vez das 17/18 unidades que costumo dar apenas dei 9 e mais duas de rápida com a glicémia a 131 (espetaculo), comi uma fatia e meia de carcaça integral torrada (pão castanho) com um leve barramento de compota biológica de abóbora + uma caneca de leite com um café expresso misturado sem açúcar (eram cerca das 07h40)...
 
A partida deu-se ás 9 e como habitualmente faço 10 minutos antes tirei novamente a glicémia e deu 194mg/dL (óptimo, pensei eu...) dirigi-me á zona de pequenos almoços do evento e ainda trinquei um quarto de uma sandes de presunto. O inicio foi rápido, ao klm 12 e sem medir joguei as mãos aos bolsos e trinquei uma barra de cereais  pois o andamento rápido e intenso quase de certeza (pensei eu) fazia queimar muito açúcar.... Havia o 1º abastecimento ao klm 20 ao qual eu ignorei e continuei, cerca do klm 25 ingeri um gel e tive a esperança de no famoso abastecimento da barragem de Campilhas (klm 40) estarem óptimos para comer a famosa sandes de carne assada, após a chegada e depois de ter medido eis que o resultado foi de 171mg/dL, optei por isso por beber um copo de sumo e comer uma banana , até á 1a parte do percurso (70klm ida até Porto Covo) nem medi mas comi ainda pelo meio um cubo de marmelada e outra barra de cereais .
 
Chegado a Porto Covo medi e dá um valor de 159mg/dL (estes 70klm foram feitos em 3h15m a uma média de 24km/h), copo de bebida energética uma banana, fatia de bolo seco + uma barra de cereais, faltavam neste momento 50klm, seguimos e o abastecimento do klm 80 seria o meu ponto de almoço com a glicémia a 102mg/dL vinguei-me e comi duas sandes de carne assada com um copo de sumo e uma banana, numa altura que os músculos estavam a comer rapidamente tudo o que lhes dava e com 2000 e tal kcal já gastas sabia que não iam subir certamente pois ainda tinha mais 40klm de pedal!

Após esse "almoço" tinha-mos + 2 abastecimentos (klm 97 e 113) á qual foram usados para abastecimento liquido e lubrificação de transmissão, mas que sempre que parava verificava a glicemia que estava sempre nos números certos, claro que até aos 120 fui comendo conforme o esforço e grau de exigência! Correu tudo bem, estou extremamente orgulhoso pelo controle treinado e efectuado e pela belíssima prestação de um DIABÉTICO na qual mostro que devidamente controlado pode andar ou exercitar-se ao nível de uma pessoa saudável!

120 klm num total de : 05h41m49s em movimento
06h13m44s de tempo total (das 09h00 ás 15h13m44s)
Média de 21, 4km/h
3849 KCAL
Bat.Cardíacos MAX: 180
Bat.Cardíacos MÉDIO: 150

A representar o movimento "BLUE O" ao mais alto nível!

"DIABETES DOESN´T STOP US.
ITS FUELS US.
"

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=548429358542644&set=o.103347969829045&type=1

Belo exemplo que podemos tirar e seguir...

Pedaladas boas,
casf